Há muito aguardávamos evidências científicas que mostrassem alguma atividade capaz de fortalecer o disco intervertebral. É fato que os pacientes praticantes de atividades físicas melhoram mais rápido. Pessoas ativas apresentam menos crises de coluna do que aqueles sedentários ou irregularmente ativos. Mas qual atividade física é a melhor para quem quer fortalecer especificamente o disco?

Um estudo importante publicado em abril (2017) na revista Nature, por pesquisadores da Austrália, mostrou melhor composição e reforço do disco intervertebral em praticantes assíduos da corrida, homens ou mulheres. Essa novidade certamente renova e embasa o discurso dos adeptos da atividade física e do estilo de vida saudável.

O disco intervertebral é uma complexa e especializada estrutura da coluna vertebral, possuindo as funções de fornecer estabilidade ao unir os corpos vertebrais, absorver e dissipar uniformemente as cargas mecânicas e permitir movimentos amplos à coluna vertebral. A coluna vertebral possui 23 discos intervertebrais, os quais representam 25% do comprimento total da coluna.

Impacto não é perigoso?

A pesquisa conseguiu demonstrar que caminhada rápida ou a corrida lenta (2m/s) produzem certos efeitos anabólicos sobre o disco. Ou seja, o impacto tem efeito sintetizador de proteínas e de substâncias que constituem o disco. Entretanto, não foram observados os mesmos benefícios em atividades de alto impacto nem caminhada de baixa intensidade ou posições estáticas.

O conteúdo do disco intervertebral é composto por água e proteoglicanos. É esse conteúdo que sofre as pressões mecânicas da caminhada e da corrida e responde aumentando, gerando maior resistência e proteção.

Esse fenômeno já é conhecido e muito utilizado na recuperação de lesões ósseas e tecidos moles do corpo –  a lei de Wolff. Por exemplo, se um osso é estimulado com carga ele aumenta a produção de células ósseas. Se você machuca o tendão, precisa fornecer carga para a recuperação do colágeno e das células elásticas. Esse paralelo também é observado na questão do impacto moderado e as células do disco intervertebral que respondem aumentando.

Recentemente também foi identificado em um estudo científico que o impacto nas articulações do joelho e tornozelo também respondem produzindo uma molécula chama Lubricina. Essa substância também funciona como lubrificante natural.

Veja mais no vídeo:

O que muda na vida de pessoas que sofrem de problemas de disco, como hérnia?

Essa pesquisa tem várias derivações importantes. A mais óbvia é fornecer subsídios para encorajar a prática de atividades de impacto moderado para prevenção de problemas de disco.

Só isso já é muito importante, pois sabemos a grande propensão que nós seres humanos temos para desenvolver problemas de coluna. 80% da população… muita gente ainda sofre e sofrerá com lombalgia, cervicalgia, problemas nos nervos como o ciático. E mais, sabemos também que boa parte desses problemas dolorosos estão relacionados ao disco.

A prevenção é a solução mais interessante e deveria funcionar em todo sistema de saúde pública.

Outra consequência envolve a conduta nos casos de protrusões discais, hérnias de disco, além de processos degenerativos do disco de modo geral. Uma evidência como esta aponta uma revisão na conduta restritiva e excessivamente medicamentosa e passiva de alguns protocolos de reabilitação de coluna.

Ao paciente fica também disponível novo leque de opções. Primeiro o ajuste dos próprios hábitos, pensando em estar cada vez mais ativo, somando mais resistência e saúde aos discos da coluna.

É um avanço enorme termos resultados objetivos demonstrando que algo natural, não invasivo, funcional e disponível para todos pode ajudar a reforçar estruturas orgânicas. E quem sabe estejamos diante de algo que vai mudar a conduta de profissionais propondo novas abordagens de tratamento mais ativo dos problemas da coluna.

Dica: É simples, rotina de caminhada rápida e/ou corrida lenta, associada a sentar-se menos ao longo do dia. Resulta em grande atitude para aliviar as tensões da coluna e melhorar a resistência geral dos discos.

Bibliografia:

Artigo na íntegra:

https://www.nature.com/articles/srep45975?error=cookies_not_supported

Sobre corrida:

http://www.allanbesselink.com/blog/smart/1307-the-flow-of-running-the-flow-of-life

Sobre Lubricina

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3887468/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *