Talvez você já tenha notado, quando o final do ano ou as dead lines se aproximam, lembramos de todos aqueles projetos e pendências ainda por fazer antes que o ano termine. Ao mesmo tempo o corpo já mostra sinais de cansaço, stress e dores intensas em alguns casos. As dores nas costas podem ser influenciadas por problemas emocionais e pelo estresse. É comum a dor aumentar quando estamos com problema(s) ou quando não estamos emocionalmente bem.

Uma das palavras mais importantes que relaciona o corpo com as emoções é a Somatização. A somatização trata-se de um processo pelo qual distúrbios de origem psíquica, emocional traduzem-se em mal-estar físico, com ou sem causa orgânica definida. Os dez problemas mais relatados são dor no peito, fadiga, tontura, dor de cabeça, inchaço, dor nas costas, falta de ar, insônia, dor abdominal e torpor.

Como o stress atua no corpo?

stress

No caso das dores nas costas, dor de cabeça, fibromialgia e síndrome da fadiga crônica o corpo dispara ciclos de reações imunoneuroendócrinas (esse palavrão significa o envolvimento dos sistemas:
nervoso, endócrino e imunológico). Ocorre o seguinte:

A descarga de substâncias associadas ao estresse, adrenalina e cortisol, na corrente sanguínea reduz a produção de endorfina e serotonina, substâncias associadas ao alívio da dor e à sensação de bem-estar, respectivamente.

Estudos mostram que um evento emocionalmente desgastante pode aumentar a sensação dolorosa em até 20%.

 

Portanto, se a pessoa já tem pré-disposição para problemas de coluna ou dores em articulações torna-se mais fácil a crise em períodos de estresse. Somado a isso, as
horas de sono reduzidas, a ansiedade, o excesso de preocupação alocam muitos recursos bioquímicos que seriam direcionados para cicatrização e reparo.

Muita gente, quando sai de férias pretendendo relaxar, acaba entrando em crise de coluna, dor ciática e outros problemas relacionados à baixa imunidade.

 

6 dicas para não ser engolido pelas demandas de fim de ano 

1. Organizar as tarefas.

A organização é um processo infinito, porém não faça dela um drama. É relativamente normal ter tarefas pendentes, mesmo sendo uma pessoa organizada. Só não tem pendências quem não tem projetos a realizar.

Veja a organização como um continuum, ou seja, uma habilidade a ser aprimorada progressivamente. Comece definindo o que é possível ser feito ainda este ano e o que precisa ser adiado. Aquelas tarefas a serem feitas agende um horário para fazê-las e cumpra o programado.

Para aprimorar a organização, escolha uma metodologia e aprimore-a pouco a pouco a partir da sua experiência. Personalize para funcionar de acordo com seu estilo de vida, ou seja, o que você valoriza precisa ter espaço em sua vida. Isso é fundamental para escolher a técnica, aplicativo, método que mais se adequa a você.

Algumas ferramentas para ajudar na organização:

  • Evernote
  • Todoist
  • Wunderlist
  • Google Tasks / Tarefas (minha preferida)
  • Outlook
  • Things
  • Toodledo – esta é a que eu uso
  • Omni Focus
  • Lotus Notes
  • Trello (ótimo para organizar projetos que envolve várias pessoas)

(Não apliquei todas essas ferramentas. Gosto muito da metodologia GTD – Getting Things Done. Abaixo uma dica de fonte de pesquisa.)

2. Atividade Física.

A atividade física é prioridade para qualquer ser humano. Se essa é uma das suas pendências deste ano, a sugestão é encontrar tempo para fazer algum tipo de exercício. Isso mesmo, não deixe para começar ano que vem, mesmo que interrompa no final do ano. Vale a pena, pois você já inicia o ano novo com esse item tão importante já iniciado.

Com a atividade física moderada você adquire benefícios para seu corpo que ajudarão a enfrentar melhor o stress. Explico, uma pessoa que faz atividade física moderada ou intensa regularmente, tem muitas vezes mais recursos bioquímicos para proteger o corpo dos efeitos nocivos do stress.

Para quem não tem tempo mesmo, a sugestão é aplicar sua força de vontade e implementar o protocolo de 7 minutos dia sim, dia não. Também existe aplicativo gratuito para essa modalidade de atividade (busque Exercício de 7 minutos).

É realmente muito importante!

 

exercicios-de-7-minutos

 

3. Entenda o fator tempo.

Administre o tempo, não seja refém dele. Nós criamos os prazos e as metas, ou se não as criamos, concordamos com elas quando decidimos por uma determinada carreira ou estilo de vida.

Não se fixe tão fortemente no calendário formal, pois ele é uma convenção humana. Rende mais quem estabelece uma rotina útil e produtiva que respeita a saúde física, emocional e social.

Lembre-se, não somos robôs de uma fábrica que precisa render dia e noite 360 dias no ano. Nossa administração do tempo precisa levar em conta períodos de concentração, intervalos, sono, atividade física, repouso, interações com amigos e familiares.

O cansaço é maior quando as necessidades humanas e biológicas são deixadas de lado. É mais ecológico, sustentável organizar as demandas da vida, levando em conta o tempo dedicado ao sono, alimentação, atividade física, relações humanas e trabalho.

Podemos vender nosso tempo, mas nāo podemos comprá-lo de volta.

Fernando Pessoa

 

4. Consciência Corporal.

Somos sensíveis ao stress. Entenda como seu corpo funciona quando você está sob pressão. Cada um tem uma propensão: dores nas costas, dor de cabeça e em outras articulações, além de problemas gastrintestinais, cardiovasculares, ansiedade e outros.

A boa consciência corporal compreende três passos: sentir, entender, agir. Leva tempo para aprender a perceber quando algo está errado conosco, saber o que significa e saber atender as necessidades de alimentos específicos, sono, movimentos, etc.

Quando não há boa consciência corporal a tendência é o corpo agravar os alarmes, até que você seja obrigado a parar por algum problema mais sério.

Os excessos podem indicar desequilíbrio, os desequilíbrios podem indicar descompasso nas escolhas. As escolhas ou a falta delas definem nossos hábitos.

Para melhorar a consciência corporal é preciso sentir e valorizar o que se sente. Até mesmo para superar os limites é preciso método e consistência.

Utilize sua consciência corporal para aliviar as dores nas costas:

  • Entenda o valor do relaxamento,
  • Sustente sua postura ao invés de ficar desleixado,
  • Preste atenção na forma correta de executar atividades do dia-a-dia
  • Utilize técnicas para compensar os excessos das posturas mais frequentes.

(Se tiver curiosidade sobre algum dos tópicos, deixe um comentário abaixo! Você também pode tornar-se aluno de um dos nossos cursos para aprender mais sobre esse tópico)

 

5. Cuide bem de você no seu tempo livre também.

Já se perguntou o que vai fazer no fim de semana ou nas férias? Está ansioso para chegar o momento de se soltar em uma rede ou cadeira de praia e passar alguns dias como uma criança livre de preocupações, restrições e regras…

Face of curious baby peeping out of board over white background

Milhares de pessoas passam o período do final de ano comemorando e fazendo tudo o que não fizeram durante o ano. Mas esses excessos tem seu preço! Não é raro surgirem dores, ou problemas digestivos e outros durante esse período. Lembre-se que você está vindo de um período de stress antes das férias.

Férias é um período nobre, momento de ser cuidado, de apreciar o relaxamento e aproveitar mais os mecanismos regeneradores do sono profundo, da alimentação desintoxicante, de testar coisas novas, conviver com pessoas queridas.

  • Seja em casa ou viajando, encontre tempo nas férias para recuperar suas forças.
  • Restabeleça a qualidade do seu sono.
  • Interponha alimentos e bebidas saudáveis, para aliviar seu organismo dos excessos.
  • Cuidado com o excesso de peso das bagagens, carregue de forma correta e peça ajuda.
  • Sente-se menos, cuidado com sofás e cadeiras de praia: são os prediletos durante as férias mas não favorecem a coluna.
  • Explore novas habilidades, principalmente aquilo que te descansa.

 

6. Aprenda com a experiência

A passagem do ano não define as mudanças por si só. O ano muda, mas o velhos hábitos continuam ali e o cérebro é refém deles. Até que você tome uma decisão e mude sua atitude com o propósito de mudar de patamar.

A melhor atitude é transformar o sofrimento, as dores e o stress em aprendizados.

Os padrões tendem a se repetir. Pense um pouco no ano passado, como foi o finalzinho do ano? Você estava estressado com as pendências, com os projetos não finalizados? Estava preocupado(a) pois não iria dar tempo de fazer tudo? Não via a hora de chegar as férias? Sentiu episódios de dores no corpo? Teve algum imprevisto?

Se você respondeu sim a alguma dessas perguntas, saiba que é bem possível que no próximo ano aconteça a mesma coisa!

Mas não precisa ser assim! Uma dica é fazer um acordo consigo que seja factível e possível dentro da sua realidade, mas que seja desafiador. Segue o passo a passo:

  • Pense em você mesmo um ou dois passos melhor naquele quesito que mais te incomoda em você.
  • Quais seriam as soluções? Estabeleça entre 3 e 5 resoluções que só dependem de você para mudar esse mau hábito. Pense em resoluções que farão diferença na sua vida.
  • Evite negativas, por exemplo, ao invés de “não vou mais reclamar” escreva “Se puder resolver faça, se não puder, relaxe”.
  • Seja objetivo, específico e positivo. Por exemplo, “Fazer no mínimo 3 vezes de atividade física por semana”.
  • Imprima e deixe em lugar acessível para você visualizar, se quiser acrescente imagens.

Lembre-se que esse documento servirá para te lembrar e impulsionar você para outro patamar, portanto não pense que será fácil. Vale utilizar o lema: um dia de cada vez, muito conhecido nos grupos de apoio para adictos. Os maus hábitos, podem ser considerados vícios, portanto o lema é pertinente.

A autoconfiança melhora a medida que mostramos para nós mesmos que somos confiáveis. A prova cabal desse confiabilidade é quando cumprimos os compromissos feitos conosco mesmos, sem testemunhas ou sansões.

Dizem os especialistas que os esforços realizados no sentido de melhora da saúde são os que conferem melhor sensação de autoconfiança e auto-estima. Vale a pena experimentar essa sensação!

 

 

Fontes:

Livro: A Arte de Fazer Acontecer – David Allen – Ed. Sextante

Livro: Autoconfiança – Verônica de Andres e Florencia Andres – Editora Academia

GTD (Getting Things Done) – ou a melhor metodologia de produtividade que existe

One thought on “6 dicas para não surtar com as dores e o stress”

  1. Parabéns pelo conteúdo do teu site Michelle!
    Fiquei muito feliz de encontrar esta abordagem tão simples a um assunto tão importante.

    Obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *